11/01/2018

Vim aqui só de fugida...

...anotar umas coisinhas para referência futura. Para não me esquecer. Ando ocupada demais para aqui vir e isso enche-me de satisfação!

Há cobrinhas rastejantes em todo o lado... Quando eu sinto que perto de mim elas começam a levantar as cabecitas, e me desiludo, e me revolto, e sinto ganas de fugir, preciso só lembrar que as há em todo o lado. Se às vezes parece que estamos num lugar seguro, é só porque em vez de levantar as cabecitas, elas andam rasteiras, à espera de nos apanhar em falso. O ar que respiro ou o meu contentamento sairão directamente da porção de ar ou de contentamento que elas acham ser-lhes devidos? Acho que não... e por mais voltas que dê sobre o assunto, não vejo onde está tanta motivação para tantas cruzadas mesquinhas e inventadas...
Gente mal resolvida... Cobrinhas. Cobrinhas que rastejam e volta e meia lá se atrevem a levantar as cabecitas, mas se lhes arregalarmos os olhos e fizermos "buuu!" vão todas indignadas e tremelicantes abrigar-se sob quem pode mais do que elas. Mas há-as em todo o lado... Se não se vêem, é preciso ter mais cuidado ainda...

O ano novo trouxe-me mais um cabelo branco! Havia um já há muito, na primeira linha de cabelo que começa na testa. Como uso franja ele fica muito bem tapadinho, mas até lhe acho graça... um fiozinho brilhante, que me faz sentir uma potencial Rogue, dos X-Men... Mas esta semana, ao pentear-me, reparei num segundo exemplar, aninhado na mesma primeira linha de cabelo, 1 centímetro ao lado daquele que foi pioneiro... Aos 31 anos, ainda se consegue achar graça a um cabelo branco. Mas dois já é uma multidão. Quiçá, posso tentar convencer-me que, em vez da Rogue, serei uma Storm!

Sem comentários:

Enviar um comentário