11/01/2018

Vim aqui só de fugida...

...anotar umas coisinhas para referência futura. Para não me esquecer. Ando ocupada demais para aqui vir e isso enche-me de satisfação!

Há cobrinhas rastejantes em todo o lado... Quando eu sinto que perto de mim elas começam a levantar as cabecitas, e me desiludo, e me revolto, e sinto ganas de fugir, preciso só lembrar que as há em todo o lado. Se às vezes parece que estamos num lugar seguro, é só porque em vez de levantar as cabecitas, elas andam rasteiras, à espera de nos apanhar em falso. O ar que respiro ou o meu contentamento sairão directamente da porção de ar ou de contentamento que elas acham ser-lhes devidos? Acho que não... e por mais voltas que dê sobre o assunto, não vejo onde está tanta motivação para tantas cruzadas mesquinhas e inventadas...
Gente mal resolvida... Cobrinhas. Cobrinhas que rastejam e volta e meia lá se atrevem a levantar as cabecitas, mas se lhes arregalarmos os olhos e fizermos "buuu!" vão todas indignadas e tremelicantes abrigar-se sob quem pode mais do que elas. Mas há-as em todo o lado... Se não se vêem, é preciso ter mais cuidado ainda...

O ano novo trouxe-me mais um cabelo branco! Havia um já há muito, na primeira linha de cabelo que começa na testa. Como uso franja ele fica muito bem tapadinho, mas até lhe acho graça... um fiozinho brilhante, que me faz sentir uma potencial Rogue, dos X-Men... Mas esta semana, ao pentear-me, reparei num segundo exemplar, aninhado na mesma primeira linha de cabelo, 1 centímetro ao lado daquele que foi pioneiro... Aos 31 anos, ainda se consegue achar graça a um cabelo branco. Mas dois já é uma multidão. Quiçá, posso tentar convencer-me que, em vez da Rogue, serei uma Storm!

25/11/2017

o meu Douro no outono

...é a coisa mais linda que se pode imaginar! Normalmente por esta altura as videiras já estão despidas, mas como este ano a chuva tardou tanto, ainda temos na vinha um pouco das cores que costumam durar só até meados de Outubro. 

As videiras já meio despidas, em contraste com a cor desmaiada das oliveiras fazem uma visão deliciosa.

A estrada no primeiro plano foi o projecto aberrante que criou uma variante à passagem dos carros pelo meio da aldeia, a isolou e entristeceu, e passou mesmo no meio do terreno do meu avô... matou-o de desgosto. Será que ao ver esta paisagem agora a reconheceria?

06/11/2017

Cada qual tem aquilo que merece

...ou aquilo que aceita.
Tenho um casal de canários. Ela é uma marota. Ele é um banana. Quando lhes vou pôr dois pedacinhos de maçã, se puser o primeiro pedaço junto ao poleiro onde ele está, ela salta para lá, expulsa-o e, quando coloco o segundo pedaço no poleiro onde ela estava anteriormente, agora ocupado por ele, ela regressa para lá, expulsando-o novamente, e ele lá regressa ao poleiro inicial e ao pedaço de maçã que ela rejeitou.
Imagino que quando se encontra no café com os amigos ele tome uma de duas atitudes: ou mente descaradamente, dizendo que lá em casa é ele quem manda, e basta-lhe a admiração dos outros, mesmo sabendo lá no fundo que é um banana cobardolas. Ou então assume o papel de vítima, porque ela é uma tirana e nem lhe dá hipótese e açambarca sempre o melhor poleiro.
Em qualquer um dos casos, o meu canário é um banana desprezível, que não é perseguido pelo azar. Ele é perseguido pelas escolhas que faz ou pelas escolhas que os outros fazem por ele e ele aceita.
O mundo está cheio de canários como o meu. E, um dia destes, eu cometo um suicídio social porque vou abrir a boca e chamar banana quando os ouvir queixar e choramingar que têm azar na vida...

30/09/2017

Há coisas maravilhosas!

Sou tão pragmática que às vezes lamento insistir em descobrir as engrenagens que fazem as coisas acontecer, ou atribuir os milagres do dia-a-dia ao acaso puro, em vez de ser daquelas pessoas sonhadoras que vêem a fada Sininho despejar os seus pós mágicos sobre as coisas comuns.
Mas hoje, escolhi acreditar na magia e recebi como um sinal do Universo o gesto aleatório de abrir um livro de citações para ver o que ele me diria.
Hoje é um dia que já foi especial no meu calendário. A pessoa que o fazia especial não faz parte da minha vida há tanto tempo mas inevitavelmente recordo-o e questiono-me, sempre!, estará bem? Estará melhor ou pior do que comigo? Lembrar-se-á de mim com o mesmo carinho com que me lembro dele? Ou ter-me-à rancor? Seguirá o mesmo caminho, um caminho de agocentrismo, ambição e vaidade, que foi em ultima análise, o que nos separou? Ou terá aprendido com o erro e não voltará a cometê-lo com o seu novo amor?
Todas estas questões. A resposta que recebi do livrinho foi:
"E então, enquanto os outros se entregam à insaciável busca de ambição e à sede de poder, eu estarei na sombra, a cantar." Fray Luis de León
Até me arrepiei.

08/09/2017

10 de Setembro - Dia do Vinho do Porto

...ou, como gostamos muito de mostrar como falamos bem inglês, Port Wine Day!

Ao contrário do que é meu hábito, hoje não vou fazer um post egocêntrico. Hoje, só hoje, abandonemos o meu Sistema Brisar (para quem aqui venha parar pela primeira vez, é o Sistema  Planetário do qual Briseis é o centro), e vamos reflectir sobre este lodo vergonhoso que vem emporcalhar a história de uma das jóias nacionais.
A Região Demarcada do Douro, primeira região demarcada e regulamentada do mundo (se forem leigos no assunto, vão lá perguntar ao tio Google o que é que isto quer dizer), foi criada por um decreto do Ministro Sebastião José de Carvalho e Melo, que ficaria para a História como Marquês de Pombal, assinado a 10 de Setembro de 1756. Exactamente. No ano a seguir ao Terramoto. Assim nunca mais se esquecem.
Logo por aqui, o dia deveria ser o Dia da Região Demarcada do Douro. Mas pronto, a demarcação foi para servir e defender a qualidade daqueles que viriam a ser mais tarde baptizados oficialmente de vinhos do Porto, por isso, podemos simplificar. Não quero ser picuinhas.
Em pleno final de semana celebratório, eis que a Região em festa recebe jornalistas, bloggers, gente gira dos mais variados países. Vêm para ser recebidos pelos donos de organismos e agências, quintas e operadores, directores e RPs, servidos com todas as cerimónias e regalias, fazer programas charmosos e exclusivos, e ter uma experiência que vão relatar lá nas suas revistas, blogues, livros, publicações, com palavreado finório a elogiar a generosidade da natureza, o labor do homem, a doçura do vinho e o dom de bem servir destas gentes.
Hipócritas. Se querem avaliar, venham sem se fazer anunciar. Paguem o bilhete de entrada. Misturem-se com os turistas ocasionais, ouçam o que os guias têm para oferecer. Às vezes são cassetes gravadas, mas há sítios com contadores de histórias maravilhosos. Serão servidos com menos pompa mas é isso que o turista que vem vai ter. Em vez disso, a região patrocina as viagens de um punhado de privilegiados que vão relatar experiências artificiais, para não dizer, enganosas.
Isto, no dia em que vi a notícia sobre algo que toda a gente desconfia que vai acontecendo, mas que não se menciona, porque se não se falar é como se não fosse verdade. Acerca da exploração dos trabalhadores nas empresas marítimo-turísticas. No rio, como em terra.
A notícia está aqui https://www.publico.pt/2017/09/08/local/noticia/denuncia-de-medo-e-escravatura-nos-barcos-do-douro-sai-a-rua-1784736

30/08/2017

Fui vítima de bullying. Claro que no meu tempo não se chamava assim, nem era um flagelo reconhecido ou que merecesse atenção. Era simplesmente um fenómeno natural como a sobrevivência do mais forte: a maioria unia-se e fazia banquetes da vergonha e humilhação dos membros da minoria. Fossem esses membros os que tinham boas notas, os que não tinham dinheiro para comprar as calças da moda ou os que não tinham a vontade ou coragem para fumar atrás dos pavilhões da escola.
Fui ridicularizada pelas músicas de que gostava. Pelas séries que via. Pela forma de falar. E de vestir. Por algum tique inócuo. Pelos dias de "mau cabelo". Tantos anos depois, com o impacto destruidor sobre a autoconfiança já bem cimentado, e sem qualquer hipótese de cuspir redentoramente na cara daquelas cabras maldosas, apercebi-me que as ofensas não eram dirigidas especificamente aos meus gostos ou gestos. Tanto fazia eu gostar de verde como de azul, haveria sempre troça porque o motivo de escárnio não era a beleza ou fealdade das minhas inclinações, mas a própria necessidade de atacar alguém. No caso, eu.
Uma pessoa maravilhosa ensinou-me: Quando se atira carvão negro aos outros, mais depressa ficam sujas as mãos de quem atira do que a pessoa visada. Serve de pouca consolação.

29/08/2017

Diz-se que os índios na América do Norte recusavam posar para fotografias, por temerem que o seu espírito ficasse aprisionado naquela imagem estática.
Se houver alguma verdade naquela crença, gosto de pensar que as milhentas fotografias onde apareço a sorrir, nos sítios onde fui feliz, onde a minha mão foi segurada e onde os meus ombros foram abraçados, guardam em si um fragmento do meu espírito, que continua a existir feliz, como se num universo paralelo, eterno.
Também tenho fotografias onde o meu sorriso não se estendia aos olhos. O sorriso só surgiu porque faz parte, sorrir para a fotografia, mas os olhos não enganam. Não consigo resistir à tentação de comparar umas com outras, como naqueles jogos de "Descubra as Diferenças". O rosto é o mesmo, mas há meia dúzia de diferenças entre as imagens. Essas, eu não acredito que contenham o meu espírito. Nessas, onde estou triste, acho que foi o meu Espírito Original, aquele que permanece comigo, que lascou e preserva a memória triste daquele momento de sorriso de faz-de-conta.