21/08/2017

Manifesto anti-gente que diz "seja pelas alminhas"

...ou "seja pelo amor de Deus", ou "é preciso sofrer porque Nosso Senhor também sofreu", e outros chorinhos lamentosos do género.
Nunca gostei de ouvir tais coisas mas ultimamente têm-me tirado mesmo do sério! Não só porque acredito que quem governa isto tudo, seja Deus ou o Karma ou a Natureza, não precisa nem deseja ver-nos sofrer para nos amar mais, ou para nos infligir menos penas. Não precisa ser aplacado. Não vou ter um lugar melhor no lado de lá por me sujeitar aqui a dores ou incómodos que posso evitar. É ridículo pensar assim. Eu acredito num Deus/Karma/Natureza que me devolve o que eu lanço no mundo. Acredito que as coisas se obtém pela acção, por uma acção boa e construtiva, não pela paciência inerte que demonstro quando outros me estão a provocar.
Além disso, vou-me apercebendo que este tipo de ladainha também sai muitas vezes da boca das pessoas que precisamente vão beneficiar com a nossa "penitência" auto-imposta.
Não me lixem. Eu não sofro por ninguém. Nem pelas almas, nem por Deus, nem por amor de ninguém. Uma relação que se paga com sofrimento, logo à partida não merece que se sofra por ela.

07/08/2017

Ser mais uma sensação do que um pensamento

Foi a lição de hoje e vou transforma-la num mantra. Busquei segurança em palavras, regras, etiquetas e protocolos. Ser irrepreensível, ser paladina da boa conduta, assertiva, falar claramente e escrever ser erros ortográficos e colocar todas as vírgulas onde devem estar. Sem esquecer o acento no i de vírgulas. Não é corrector ortográfico. Sou eu que o ponho.
Vou-me transformando numa máquina. Sempre gostei de catalogar coisas, até a mim mesma. Fazia aqueles testes de personalidade para ver qual era o meu tipo, a minha personalidade escondida, a figura pública que é a minha alma gémea, quem eu seria se tivesse vivido na Idade Média, ou se fosse uma personagem dos Simpsons, ou uma cor, ou uma bebida... Fiz esses testes todos e mais alguns. Se eu fosse uma princesa da Disney, seria a Mulan. Se bem que, como a Bela gosta muito de ler, gosto de pensar que nos intervalos das batalhas, a Mulan se possa transformar numa Bela que devora livros na biblioteca que lhe foi oferecida pelo seu amado Monstro. Sempre atrás de rótulos, de regras e Leis Universais. Caixinhas. Tudo enfiado em caixinhas. Eu própria. E se algo não servir em caixa nenhuma, alarga-se o critério de uma das caixas existentes ou arranja-se uma nova... Ficar algo desarrumado é que não!
Refugio-me no pensamento porque me parece mais fiável e seguro. A emoção abana-me e sufoca-me. Mas sem ela também não se vive, não é verdade?

02/08/2017

Patchwork

...que é como quem diz, um trabalho feito com retalhos dos meus dias...
Dei um corte radical no cabelo, ando mais leve e pareço um tudo-nada a Fada Sininho... Gosto e recomendo.
Estourou o mês de Agosto...e pontualmente, como uma praga anunciada, cá estão as multidões na rua, que se cruzam e roçam e cumprimentam ruidosamente, enquanto os carros fazem fila e se estacionam sobre os passeios e em segunda fila. Fazem-me pecar, tantas são as pragas que rogo...
Um casal Austaliano de visita a Portugal confessa-me, emocionado, que chorou ao ver os nossos castelos com quase 1000 anos, porque em comparação a história do seu país é tão recente. A senhora sofre de uma doença que a fará cegar em breve e emociona-se perante o privilégio de poder olhar coisas que vêm de tempos tão longínquos.
Comi uma maçã enquanto olhava a relva e dei por mim a pensar naquelas coisas científicas complicadas que ouvi acerca das cores e de como a luz e os diferentes espectros de cor que a constituem são absorvidos pelos objectos, com excepção da onda de cor que não existe nelas... Ou seja, a relva verde é, na verdade, tudo menos verde. Tentei imaginá-la roxa ou azul.
Uma pessoa aproveitadora e mesquinha diz ser vítima de violência, quando o (ex)companheiro tenta abordá-la repetidamente para tentar reaver o dinheiro que lhe foi "subtraído" da conta (para eu não estar aqui a usar a palavra "roubado").
Cada vez me irrita mais a ridicularice jornalística, de ir para o meio de cenários de incêndio, a respirar fumo e faúlhas ardentes e a enfiar os microfones no nariz de bombeiros exaustos e apressados.
Também me irrita cada vez mais levar com publicidade ou, como se chama em linguagem técnica, "colocação de produto" no meio dos episódios da nossa ficção da treta.
Matriculei-me num Mestrado.
Sinto em mim uma renovada adoração pelos Red Hot, depois de ter assistido ao monumental concerto... Por Deus, eu estive sob o mesmo teto que eles! Até estou a reler a infame autobiografia do Anthony Kiedis pela segunda vez...
E pronto. É esta a actualidade local do Sistema Brisar. Para quem ainda não conhece, é o Sistema do qual Briseis é o centro.

16/07/2017

Estão a ver isto?


A imagem foi retirada daqui. E é para vos dizer que ali, algures, um daqueles pares de braços no ar sou eu.
Red Hot Chili Peppers no Super Bock Super Rock.

12/07/2017

Desafio

Digam-me se há algum ambiente caótico (tipo uma piscina cheia de miúdos ruidosos) que não se torne adorável ao som desta música... É o derradeiro apaziguador.
(nota: não vale desistir de ouvir antes de completar o primeiro minuto)


O elogio maior...

...é aquele que vê em nós, não um novo e melhor corte de cabelo, nem uma roupa nova e arrojada, mas uma luz diferente no olhar e na pele, que diz ao mundo que o interior está leve e sereno.

06/07/2017

Obrigado

Confunde muito os estrangeiros o facto de a nossa palavra de agradecimento ter declinação masculina e feminina. Mesmo a maioria dos portugueses não sabe ou não entende que quando dizemos obrigado ou obrigada isso depende do sexo da pessoa que o diz, independentemente da pessoa a quem é dito.
E hoje dei conta de uma coisa... Que até me entristeceu, confesso! Só em Português é que a palavra de agradecimento está colada a uma obrigação. Há um dever implícito ali patente, fico "obrigada" perante a outra pessoa. ...ou perante muitas pessoas, quando se ouve aquela maravilha que é o "obrigados"!
"Give thanks" significa dar graças. E Danke, em alemão, é outra versão com a mesma origem. Ou Gracias. Ou Grazie. Ou Merci, de mercê, que significa graça, favor. Todos estes idiomas que conhecemos se limitam ao agradecimento reconhecido. Só os Lusos se sobrecarregam com a obrigação humilde de não deixar a graça por pagar. Obrigado, obrigado, obrigado... Se no mesmo dia vinte vezes recebermos uma benção, vinte vezes nos obrigamos a recordar e a seu tempo retribuir a graça.
Não admira que seja triste e melancólica a Alma Lusa, com as suas Saudades e as suas Obrigações.